Saiba mais sobre os tipos de cólica

Vamos falar de cólicas. Sabe aquela dor de barriga que “vai e vem”?

É bem possível que você tenha pensado em cólicas menstruais. Elas atingem de 50 a 90% das mulheres em idade fértil. Mas são só um dos tipos que existem. Vejamos mais sobre este e os outros mais comuns.

Cólica menstrual

Podemos dividir as cólicas menstruais em primárias e secundárias. As primárias são as mais comuns. Costumam aparecer pouco depois das primeiras menstruações. Já as secundárias vêm de alguma doença ou problema, como a endometriose, problemas com o DIU, alterações do útero e ovários e inflamação pélvica.

A dor na parte de baixo da barriga é o principal sinal, podendo se espalhar pelas costas e pernas. Dura pouco e pode deixar a pessoa sem se mexer. Se for uma dor muito forte, pode estar junto de sintomas como enjoo, vômito, inchaço, dor de cabeça e dor nas mamas.

Em caso de cólica primária, é possível aliviar a dor apenas mudando alguns hábitos. Uma dica são os exercícios aeróbicos, como corrida, caminhada e andar de bicicleta. Também é bom usar bolsa de água quente na barriga, ter mais fibras na alimentação e beber bastante água.

Já se a cólica for secundária, o médico recomendará o tratamento. Pode ser preciso fazer uma cirurgia.

Tanto em cólicas primárias quanto em secundárias, há a opção de remédios anti-inflamatórios. Siga as orientações do seu médico.

Cólica intestinal

Algumas causas possíveis são gases, inflamações e obstruções do intestino. É ideal procurar um médico, pois pode haver alguma doença inflamatória. Entre os sintomas que podem aparecer, estão diarreia e febre.

Se está com esse tipo de cólica, ouça o que diz o profissional. Ele poderá indicar remédios, como antibióticos e analgésicos. Veja também se ele vai recomendar alguma medida.

Cólica renal

Vem dos cálculos renais, as famosas pedras nos rins. É uma dor que começa nas costas e se estende até a barriga. Pode vir junto de problemas na urina, vômitos e febre. Durante uma crise, a primeira dica é evitar beber líquido em excesso, pois isso aumenta a pressão da urina no rim.

Se essa cólica acontecer, é hora de procurar o médico. Há várias formas de tratamento: por remédios, ondas de choque ou endoscopia. O que vale é ouvir o que seu médico diz, além de saber como se formaram as pedras.

Cólica biliar

Também vem de pedras, mas no fígado. O colesterol da bile é responsável por cerca de 3 a cada 4 dos casos de formação dessas pedras.

Nesse caso, as cólicas se formam na parte de cima à direita da barriga e se espalham para o tórax ou as costelas. Aparecem meia hora depois de uma refeição e pode vir junto de febre, enjoo e vômitos.

Se a pedra no fígado for feita só de colesterol, o tratamento pode ser por remédios que irão diluí-la. Nos outros casos, a forma mais indicada é a cirurgia por meio de laparoscopia, com internação no hospital por alguns poucos dias. Outra opção é o tratamento por ondas de choque.

Quando procurar ajuda

Lembre-se: é normal sentir cólicas no início do ciclo menstrual, pois o corpo ainda está se adaptando a essa fase. Se as dores aumentarem de repente, é a hora de procurar ajuda médica. Consulte seu ginecologista.

Conte com o HMAM!

Fontes de referência: Novalgina, Drauzio Varella, Unimed Belo Horizonte, NotreDame Intermédica

Sobre o autor

Você também pode gostar destes

Skip to content