Cuidado com o que dizem sobre substituir o leite materno

Segundo um estudo publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef), muitos países não conseguem informar bem as mães sobre a importância de amamentar o bebê. Isso acaba levando as mulheres a buscarem alternativas ao leite materno. O marketing e o isolamento causado pela pandemia da covid-19 também têm papel nessa busca.

Leite materno é a primeira opção

Vamos lembrar: em uma situação normal, nada substitui o leite da mãe. Só ele tem todos os nutrientes de que o bebê precisa para crescer saudável. Além de proteger contra várias infecções, alergias e doenças crônicas.

Órgãos brasileiros e internacionais recomendam que a criança fique só com o leite materno até os 6 meses de vida. Depois disso, pode ficar mamando até 2 anos ou mais, junto com alimentos saudáveis e sem outros leites ou fórmulas infantis.

Quando buscar outras formas?

Porém, há casos em que a mãe não é capaz de amamentar o bebê. Por exemplo, tratamentos ou remédios que podem afetar o leite ou falta de produção suficiente. Se acontecer algo assim, é possível recorrer a doações de leite.

Pode ser também que a criança nasça alérgica ou intolerante. Nesses casos, é importante ver com o pediatra qual é a melhor alternativa.

Primeiro, vamos notar que existe um tipo de produto ideal para cada idade. Vale conferir o que diz a embalagem. Uma classificação comum é nos tipos 1 e 2. O tipo 1 é para bebês de 0 a 6 meses de vida. O tipo 2, para os que têm 6 meses ou mais. Algumas marcas têm também o tipo 3, para bebês com mais de 10 meses.

Outras marcas classificam de forma diferente: fornecem produtos para crianças com menos de 1 ano e mais de 1 ano. Além da idade recomendada, não deixe de conferir a dose ideal.

Tipos de fórmulas

Existe um tipo de fórmula para cada alergia ou intolerância do bebê. Por exemplo, fórmulas sem lactose, sem proteína de vaca e que evitem que a criança vomite. Além disso, há leites com alguns nutrientes que ajudam no desenvolvimento, como gorduras boas e vitaminas.

Se tiver condições, não deixe de dar leite ao seu bebê. Mas, se não puder, consulte o pediatra!

Fontes de referência: VivaBem, Unicef, Sociedade Brasileira de Pediatria, Sábia Escolha

Sobre o autor

Você também pode gostar destes

Skip to content