Saiba mais sobre Gravidez e vacinação contra Covid-19

A pandemia da covid-19 ainda está por aí. Mas dessa vez, temos as campanhas de vacinação que estão ajudando na luta contra o vírus. Nos grupos prioritários, mulheres grávidas e no puerpério (primeiros meses após dar à luz) estiveram entre as primeiras vacinadas. Mas por quê? Por que as gestantes estão no grupo de risco?

O que acontece é que a gravidez causa mudanças no sistema de defesa do corpo da mulher. Por isso, os cuidados nesse período devem ser ainda maiores. Além disso, um estudo apontou que as grávidas são mais sensíveis ao vírus da Covid-19 do que o índice geral no Brasil. Os problemas causados pelo coronavírus podem afetar também os bebês na barriga, devido à falta de oxigênio no sangue.

Apesar desses dados, a vacinação segue em ritmo lento. Até 9 de dezembro de 2021, apenas 21,6% de todas as gestantes previstas no programa nacional haviam recebido as duas doses da vacina. E esse não é um problema só do Brasil: coisa parecida acontece nos Estados Unidos e no Reino Unido. Segundo especialistas, dúvidas sobre as vacinas e notícias falsas são as possíveis causas de tudo isso.

As vacinas são seguras para grávidas!

Sim! A proteção dada a elas é igual à oferecida para todos os outros.

Porém, com o surgimento de novas variantes, a dose de reforço se torna ainda mais importante para esse público.

Além disso, por precaução, o Ministério da Saúde recomendou que não se use a vacina da AstraZeneca em gestantes. Mas isso não significa que o perigo dessa vacina seja grande. Muito pelo contrário: a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) estima que reações adversas só aconteça em 0,0004% das aplicações da AstraZeneca.

O mesmo vale para outras duas marcas de vacina, as indicadas às grávidas no Brasil: Pfizer e CoronaVac. As pesquisas mostram que as duas são seguras e as reações são leves.

Estou grávida ou virei mãe há pouco. O que fazer?

O que a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) recomenda é que grávidas e puérperas tomem a vacina aprovada em seus países. Há também um conselho aos locais de vacinação: não se pode exigir nenhum documento médico além daqueles que comprovam que a mulher está ou esteve grávida. Por fim, cabem aquelas medidas que você já conhece: nada de lugares com muita gente junta, manter distância de outras pessoas sempre que possível e sair de casa sempre de máscara.

Vacina, sim. Só ela trará nossa vida de volta ao normal!

Fontes de referência: Mulher e Gestação, VivaBem, Rede Feminista de Saúde, Veja Saúde

Sobre o autor

Você também pode gostar destes

Skip to content